A embriaguez mortífera do canto neoliberal da sereia pós-moderna capitalista

Autores

  • Roberto Kennedy Gomes Franco

Palavras-chave:

História, Educação, Pós-modernidade e Anticapitalismo

Resumo

O texto A Embriaguez mortífera do canto neoliberal da sereia pós-moderna capitalista é fruto de minha fala no X Seminário Internacional de Luta contra o Neoliberalismo, com o tema: “A Crise do Capital: Guerra imperialista e Golpe neoliberal”. Dialeticamente analiso as contradições históricas da chamada pós-modernidade enquanto lógica cultural das relações sociais que os indivíduos estabelecem no modo de produção do capitalismo tardio. Parto da tese de que, articulado às peculiaridades da lógica capitalista, o discurso pós-moderno ao tempo em que relativiza a luta de classes, encantando e seduzindo como o canto das sereias narrados por Homero na Odisseia, dionisiacamente, embriagam negativamente as necessidades humanas para a reprodução da sociabilidade do Capital, ou seja, do individualismo e da exploração entre os seres humanos, fato este que concretamente pauperiza e potencializa o sofrimento de um sem fim de pessoas nas masmorras da miséria. Para tanto, a realidade é pintada ilusoriamente como se bem deseja, num jogo linguístico, estético e poético que seduz e aliena, transvalorando princípios sociais, morais, éticos, etc. Segundo os preceitos epistemológicos disso que o mercado capitalista tem vendido como novo, ou seja, o imperialismo ideológico pós-moderno, qualquer promessa de justiça social e emancipação humana é um projeto falido, a realidade é o que eu individuo digo ser real, a racionalidade, o cientificismo uma quimera que não se concretizaram. Conforme os apologistas da pós-modernidade, o real é o que digo ser real, minha ideia de real é que faz forma e significado, esta volta grosseira ao idealismo hegeliano, com uma escrita da história meramente descritiva e narrativa, com ênfase ao subjetivismo, torna ainda mais fragmentada qualquer possibilidade de organização, luta e resistência. Nesta linha de raciocínio, conhecer em seus pormenores as contradições da chamada pós-modernidade é importante para formar nossa consciência histórica acerca da necessidade da luta anticapitalista e de declaração de guerra à disseminação de uma praga teórica que assim como as ervas daninhas, se alastram, se capilarizam nefastamente na vida cotidiana. Estes aspectos são fundamentais para uma pesquisa engajada e comprometida com as necessárias transformações das mazelas sociais vigentes em nosso tempo.

 

Referências

BORON, A. A. Filosoia política marxista. São Paulo: Cortez, 2003.

EAGLETON, Terry. As ilusões do pós-modernismo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. 16edª. Rio de Janeiro: Graal. 2001.

HAYEK, Friedrich August. O caminho da servidão. 5ª edição, Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 1990.

HOBSBAWN, Eric. Sobre história. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

HOMERO. Odisséia. Trad. Odorico Mendes; org. Antônio Medina Rodrigues, pref. Haroldo de Campos. São Paulo: Ars Poetica / EDUSP, 2000.

JAMESON, Fredric. Pós-modernismo - a lógica cultural do capitalismo tardio, São Paulo: Ática, 2002.

MARX, Karl. Manuscritos Econômico-ilosóicos. Tradução de Jesus Ranieri, São Paulo: Boitempo: 2004.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto comunista. São Paulo, SP: Boitempo Editorial, 2007.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. 3ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983.

SAVIANI, Dermeval. História das Idéias Pedagógicas no Brasil. 2ª. Ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2008. (Coleção Memória da Educação).

VILAR, Pierre. Marx e a História. História do Marxismo. 3ªed. Rio de Janeiro, 1987.

WOOD, Ellen. O que é a agenda “pós-moderna”? In: WOOD, Ellen & FOSTER, John. Em defesa da história. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1990.

Downloads

Publicado

26-07-2021

Edição

Seção

Anteriores